BEDA #13 – Suzy e as águas-vivas

Adriele E. da Silva


Oi gente! Vamos falar sobre um livro muito fofo e que toda criança deveria ler? Um livro que tem tudo pra passar despercebido, mas que tem tudo para ser um livro cativante e que pode marcar muito uma pessoa.

Suzy é uma garota que está começando o 7º ano do ensino fundamental II, seu segundo ano na escola nova e o primeiro sem sua melhor amiga, ou melhor ex-melhor amiga, Franny que morreu durante as férias de verão, pouco antes das aulas voltarem. E Suzy não aceita o que os adultos falam sobre a morte dela, ela possui sua própria versão desse dia, afinal como ela poderia ter morrido afogada se era a melhor nadadora que Suzy conhecia? E é com esse pensamento e uma visita ao museu de ciências que ela começa sua relação com as águas-vivas. Assim começa a busca da Suzy para provar que sua ex-amiga foi morta por uma ferroada de uma água-viva e para isso ela fará o que for possível, mesmo que isso signifique ir muito longe mesmo.

Essa sinopse pode fazer vocês pensarem em um livro infanto-juvenil sobre uma aventura cheia de histórias e personagens, mas não é só isso, na verdade a aventura em si é a parte menos importante, pois o que importa de verdade é todo o preparo, toda a trajetória da Suzy para descobrir uma verdade em que ela quer acreditar. Além de todo o percurso da personagem para compreender o que aconteceu com o relacionamento dela com a Franny, desde a época em que se conheceram, até quando tudo começou a dar errado entre elas e o final que deixou Suzy tão mal e se sentindo tão culpada.

Vamos falar sobre a estrutura do livro, a diagramação é ótima, provavelmente por ter sido pensado pra um público mais jovem. O papel é muito bom, os capítulos não são longos e a divisão deles foi feita para o próprio desenvolvimento da história.

Os capítulos se revezam entre presente e passado, além dos capítulos extras da pesquisa da Suzy para provar a causa da morte da Franny, com direito a mudança de fonte e tudo. E o livro ainda é dividido em partes e para mim essa foi a coisa mais divertida de ver no livro, pois cada parte é um pedaço de um trabalho científico, desde os objetivos até a conclusão, e isso faz muito sentido para a história, já que a personagem tem todo um envolvimento com a Ciência, a professora que se destaca mais é a de Ciências e a pesquisa acaba virando o trabalho de final de ano letivo da Suzy, então tudo no livro faz muito sentido e se completa.

Nem preciso falar nada da capa, né? Pra quem viu o post da tbr da MLI2017, já sabe que esse livro foi escolhido exatamente pela capa. Achei ela muito fofa, desde as ilustrações até a escolha das cores.

Beijos Mágicos!!


E siga o blog nas redes sociais: Twitter  |  Facebook  |  Instagram  |  Skoob  |  Pinterest  | We Heart it 

BEDA #12 – Era uma vez Outra vez

Larissa Leite


Saudações queridos companheiros 
Ou
Oi
Olá 
Hello
Aloha !!
Semana passada, comecei uma resenha com "era uma vez…" E hoje, não tem como fugir do era uma vez… Porque esse é o nome do livro!
Era uma vez outra vez, é um livro super fino que poderia ter uma história clichê sobre o príncipe que salva a princesa do mostro… Nesse caso, do dragão de sete asas (tan tan tannn). 
Mas, neste livro, tudo começa com o narrador. Isso mesmo, o personagem que narra a história, observa uma menina pegar o seu livro na biblioteca. Veja bem, este livro já estava na prateleira por muito tempo e o narrador não esperava ter que recontar a história.

Agora, o narrador precisa juntar os personagens em seu devido lugar. A princesa na torre, o dragão na caverna, etc. Mas, como fazer, quando os personagens estão revoltados com seus respectivos papéis? E se a princesa quisesse salvar o príncipe? E se o dragão morasse em um castelo? Bem, estes são os problemas que o narrador enfrenta ao longo do livro.

Essa leitura é bem rápida, tranquila e pode ser lida em 1 ou 2 dias. O mais divertido é como os autores humanizaram os personagens, que agora passam a ter personalidade, desejos e desgostos. 

Como todo bom livro infantil, existem os desenhos, que ganharam o prêmio Barco a Vapor de melhor ilustração em 2006. Coloridas e fofas, as ilustrações mostram as expressões e sentimentos, rancorosas e alegres de cada personagem. 

Você enjoa de feijão? Bem, a princesa enjoou de ser princesa! Acredito que essa seja a ideia que o livro passa.

Beijos na bunchecha!


E siga o blog nas redes sociais: Twitter  |  Facebook  |  Instagram  |  Skoob  |  Pinterest  | We Heart it 

BEDA #10 – Livro X Filme: O leão, a feiticeira e o guarda-roupa

Equipe Living for Harry


Oi gente! A comparação de hoje envolve um clássico! Vamos comparar livro e filme de As crônicas de Nárnia: O leão, a feiticeira e o guarda-roupa. Vamos comparar apenas esse e não todos os que já lançaram, assim o post não fica quilométrico, mas se quiserem que a gente compare os outros filmes da saga com seus respectivos livros, é só deixar nos comentários!

Personagens: os atores foram muito bem escolhidos para interpretar os personagens e o Aslam ficou muito bom! Toda parte técnica, envolvendo eles estava muito boa. Nossa única ressalva é a participação do Sr, Tumnus, porque no livro ele só aparece com muito destaque assim que a Lúcia chega em Nárnia e se encontra com ele, o que é bem diferente do filme, já que ele tem um papel muito importante, tendo até cenas dedicadas a ele, como o congelamento dele pela feiticeira.

Acontecimentos: aqui vamos listar alguns que chamaram muito a nossa atenção. Logo no começo do filme, há um destaque para o fato deles estarem inseridos na 2ª Guerra Mundial, algo que não é tão focado no livro, por se tratar de um livro infantil. Outra cena que também foi amenizada no livro, mas muito destacada no filme, é a batalha de Aslam com a feiticeira, mesmo não mostrando ele a matando de fato, ainda deixa isso bem claro.

Uma cena que pode ter deixado a galera que assistiu, confusa é a relação do Edmundo com a feiticeira, pois a cena do manjar turco não apareceu completa no filme. No livro, o garoto nunca está satisfeito, porque o manjar turco foi encantado pela feiticeira, então ele a procura para conseguir mais do doce e assim que se estabelece essa relação.

Outra cena inicial e bem marcante que está diferente no filme é a cena em que os irmãos Pevensie entram no guarda-roupa, no livro eles estão apenas se escondendo da governanta, por terem aprontado algo, já no filme, eles se escondem dela no guarda-roupa, porque entraram no quarto que eles não podiam entrar por causa de uma bola deles que entrou pela janela.

Extra: algo que quem apenas assistiu os filmes não sabe é que os filmes que já foram lançados não são todos os livros da série. E mais… O leão, a feiticeira e o guarda-roupa não é o primeiro livro, existe um livro antes dele e outros livros entre os que viraram filme, então a história está com alguns buracos e por isso podem acabar deixando alguns detalhes de lado, como a formação de Nárnia, o por quê do guarda-roupa ser uma das passagens para lá e qual a relação entre o professor Kirke (o senhor dono da casa onde eles estão) e Nárnia.

Essas são as nossas considerações, quais a de vocês? Deixem nos comentários! E calma, essas diferenças não deixaram o filme ruim, amamos muito esse filme e todos os outros da saga, mas como toda adaptação, ela não consegue encaixar tudo e faz alterações. Mas sabemos que às vezes isso é necessário.

Beijos Mágicos e Beijos na bunchecha!!


E siga o blog nas redes sociais: Twitter  |  Facebook  |  Instagram  |  Skoob  |  Pinterest  | We Heart it 

BEDA #9 – Livro x Filme: Como eu era antes de você

Adriele E. da Silva (participação especial: Joel Torrealba)


Oi gente!! O post de hoje está bem especial, porque temos um convidado especial me ajudando!! O Joel (que já postou uma resenha aqui no blog) me ajudou a escolher as diferenças e semelhanças mais marcantes entre o livro e o filme Como eu era antes de você. Que diga-se de passagem, são os mais recentes aqui da lista!

Personagens: algo que concordamos é o fato de que escolheram muito bem a atriz para interpretar a Lou, a Emilia Clarke fez um ótimo trabalho e conseguiu mostrar a personalidade da personagem sem deixá-la esquisita, mesmo com as roupas super chamativas! Pra mim, o Will não ficou 100% como eu esperava, porém relevem, pois isso é coisa da minha cabeça, até porque o Sam Claflin também fez um excelente trabalho com o personagem. Um problema nesse quesito que chama bastante atenção de quem leu o livro é que a irmã do Will simplesmente não aparece.

Relacionamentos: alguns relacionamentos foram deixados de lado ou tratados de forma superficial ou bem diferentes do livro. Um exemplo é a relação da Lou com a família, eles têm vários problemas e eles praticamente são ignorados no filme, a protagonista se dá muito mal com a irmã, mas no filme elas são quase melhores amigas, isso também ocorre com a mãe da Lou, pois ela é muito mais próxima no filme do que no livro. Mas um relacionamento muito bem feito, além do casal protagonista, é o da Lou com o Patrick, pois eles são um casal bem problemático, mas ela tá sempre tentando fazer dar tudo certo.

Acontecimentos: isso é algo que me deixa bem incomodada, porque eu sei que não pode ficar julgando muito um filme, afinal é pouco tempo pra passar tudo que tem em um livro, mesmo esse livro não sendo longo. Porém muitas cenas importantes para a história foram cortadas do filme (ALERTA DE SPOILER), como o fato do pai do Will ter traído a esposa, pois isso influência bastante as atitudes do Will, ou o motivo da Lou ter tanto medo do labirinto, eu senti bastante falta, mas como eu disse, é compreensível. E duas cenas em especial chamaram a minha atenção em relação a como elas ficaram tão fiéis ao livro: a cena da praia que ficou muito fofa e a cena do aniversário da Lou, quando o Will dá as famosas meias listradas para ela. Eu gosto muito dessas cenas e elas ficaram muito bem feitas, mostrando bem a relação dos persongens e como cada um se desenvolve.

Extra: algo que eu não sabia, mas descobri nas minhas pesquisas (Obrigada, Toda Teen!) é que a autora esteve presente nas gravações e tentou deixar o filme o mais próximo possível do livro, desde o elenco até o que poderia ou não acontecer em determinados momentos.

Beijos Mágicos!!


E siga o blog nas redes sociais: Twitter  |  Facebook  |  Instagram  |  Skoob  |  Pinterest  | We Heart it 

BEDA #8 – Livro X Filme: A Hospedeira

Equipe Living for Harry


Oi gente! Estamos no 8º dia de BEDA e 2º dia da semana temática. E vamos comparar o livro A Hospedeira com o filme. O livro é único, mas bem comprido, então já sabemos que o filme não tem todos os detalhes presentes na história, mas ele consegue ser bem fiel ao livro, mesmo com as diferenças. Vamos dividir o post em tópicos, como fizemos no post de ontem.

Personagens: os atores são bem parecidos com os personagens do livro, com algumas pequenas diferenças aceitáveis. Afinal, muitas vezes os personagens são diferentes até entre as pessoas que leram o livro. A única personagem que nos deixa um pouco mais chocada (ALERTA DE SPOILER), é o "corpo" que a Peregrine vai quando sai do corpo da Melanie, achamos ela um pouco bizarra, meio falsa e bem diferente do que esperávamos. Hahahahaha

Aliens: os seres que invadem a Terra e usam os humanos como hospedeiros, parecem ser muito clichês, só por serem seres extraterrestres e tecnológicos não tinham que ter necessariamente uma aura tão branca. Tudo neles é branco, meio esterilizado. Isso é bacana, mas é uma representação muito comum, para o que a gente esperava.

Acontecimentos: vamos destacar dois acontecimentos que achamos que devíamos destacar. O primeiro é a cena da perseguição com os carros dos buscadores, porque essa cena não existe no livro e claramente foi criada e colocada na história para dar um toque de ação para dar uma animada no filme, assim como alguns momentos de descontração com humor. A outra cena é quando a Mel some da cabeça da Peregrina e ela, no livro, faz um escândalo e fica desesperada, procurando pela Melanie e mostra toda a relação criada entre elas, porém no filme a cena ficou um pouco forçada e acaba virando uma discussão entre a Peregrine, o Jared e o Ian.

Esses são os pontos que destacamos para essa história, se acharam mais pontos que não falamos ou algo que não concordam, podem falar nos comentários. E lembrando que tudo não passa de posts para vocês lerem, se divertirem e pensarem um pouco a respeito, mas sem chatices e críticas bobas.

Beijos Mágicos e Beijos na bunchecha!!


E siga o blog nas redes sociais: Twitter  |  Facebook  |  Instagram  |  Skoob  |  Pinterest  | We Heart it 

BEDA #7 – Livro X Filme: Os Instrumentos Mortais

Equipe Living for Harry


Oi gente! Hoje começamos a primeira semana temática do BEDA Living for Harry! Yaaaaaaay! E como viram no título, o tema é comparar livros com seus filmes ou (principalmente nesse caso) séries. E vamos começar com a nossa série favorita, Os Instrumentos Mortais. Vamos fazer em alguns tópicos. Características que mais chamam a atenção, quando comparamos as três representações do mundo criado pela Cassandra Clare.

Personagens: os personagens apareceram de formas bem diferentes, mesmo mantendo algumas características marcantes descritas pela autora da série. Nos livros, a protagonista é uma adolescente do ensino médio, ruiva, atrapalhada e artista. No filme, ela também é uma adolescente do ensino médio, porém é interpretada por uma atriz adulta, seu cabelo é ruivo, porém bem vermelho, ao invés do tom alaranjado. Na série, ela tem o cabelo mais alaranjado, porém está cursando a faculdade e é muito mais destemida e menos atrapalhada que a personagem original do livro.
O Jace também tem várias facetas, no livro ele é alto, forte, porém esguio, e com um cabelo loiro bem claro. É determinado, muito confiante de si e às vezes até meio grosso. No filme, as características da personalidade do personagem estão bem fortes e o ator tem um físico parecido com o do personagem, porém menos forte do que as fãs esperavam, assim como o rosto e o cabelo do ator não agradara, tanto. E na série, ele é bem diferente, pois é mais baixo e forte do que o personagem do livro, seu cabelo é um pouco mais curto e sua personalidade é muito mais afastada que a do personagem no livro.
Os outros personagens também possui diversas alterações entre livro, filme e série, principalmente os irmãos Lightwood. Sendo que no filme o pequeno Max nem aparece, por exemplo. E o Luke da série é um típico policial/detetive de filme americano.

Acontecimentos: a história da série Instrumentos Mortais é dividida em 6 livros e conta aos poucos os acontecimentos desde a descoberta do mundo das sombras pela Clary, até a grande guerra que tem no final. A ideia do filme era seguir essa ordem, logo o único filme feito e lançado foi para adaptar os eventos do primeiro livro. Ele fez isso até que bem, porém resumiu muito, mostrando realmente apenas as cenas mais importantes e marcantes, deixando de lado alguns detalhes e alterando algumas cenas. Porém a série Shadowhunters foi muito mais longe, ela tem até então duas temporadas, porém os acontecimentos estão bem misturados, tendo um pouco de cada livro, sem se aprofundar muito nos detalhes dos eventos que ocorrem para que determinadas situações aconteçam, além dessa superficialidade, a série de TV também muda a ordem e a cronologia de alguns fatos, trazendo-os para antes ou depois de alguns outros fatos (sim, estamos tentando evitar possíveis spoilers), mudando assim toda a estrutura de tempo e espaço criados para os livros.

Outras características: muitas outras coisas mudaram, uma delas são as runas que são as marcas feitas nos Caçadores de Sombras que atribuem determinadas características especiais para eles, nos livros essas marcas ficam, inicialmente, pretas e depois somem, ficando apenas uma cicatriz branca. No filme e na série, elas continuam pretas, provavelmente pela questão estética, pois essa é uma característica física importante nos personagens, além da possível dificuldade em fazê-las como cicatrizes, principalmente as que podem ser reativadas.
Outra característica marcante é o Instituto de Nova York, onde os irmãos Lightwood e o Jace vivem e o lugar onde Clary fica após o ataque ao apartamento onde ela e sua mãe moravam, pois no filme, ele é retratado como um tipo de casa MUITO grande e com muitas áreas, mas com uma pegada mais tradicional, lembrando construções mais antigas, já na série, o instituto é um centro onde eles vivem, mas também muito mais voltado para todo o trabalho dos Caçadores de Sombras, tendo mais do que as áreas descritas nos livros e presentes no filme, apresentando uma tecnologia extremamente avançada, transformando o Instituto em um lugar muito mais militar do que o que foi criado pela Cassandra Clare.

Essas são só algumas das diferenças mais aparentes entre as três representações. Lembrando que a série ainda está em desenvolvimento, então muita coisa ainda vai acontecer. E não estamos valorizando ou desvalorizando qualquer uma delas, gostamos muito dos livros, gostamos do filme e estamos acompanhando a série, então esse post é apenas para destacar essas diferenças e abrir possibilidades de críticas, porém sem julgamento. O importante é acompanhar a história desses personagens e viver, pelo menos um pouco, nesse mundo tão diverso e maravilhoso. E não se esqueçam, a série e o filme são adaptações, não cópias fiéis, então nada de surtar!!

Beijos Mágicos e Beijos na bunchecha!!


E siga o blog nas redes sociais: Twitter  |  Facebook  |  Instagram  |  Skoob  |  Pinterest  | We Heart it 

BEDA #6 – Quinze Dias

Adriele E. da Silva


Oi gente! Preparados para mais uma resenha?! Como já viram no título o livro escolhido é o "Quinze Dias" do Vitor Martins que além de ótimo escritor, é um ótimo booktuber, vale a pena se inscrever no canal dele! Agora vamos falar desse livro maravilindo!

Como 99,99% dos adolescentes desse mundo, Felipe esperou ansiosamente por esse momento, as férias de Julho. Agora vai poder aproveitar para fazer tudo que tanto queria: maratonas séries, ler muito, assistir tutoriais no YouTube que nunca fará e não ter que lidar com os colegas de escola. Porém logo no primeiro dia descobre algo que pode mudar seus planos… Sua mãe aceitou hospedar Caio, o filho da vizinha, durante esses quinze dias, para desespero de Felipe, porque além de Caio ter sido sua primeira paixão, ele possui muitas inseguranças e não consegue interagir com o visitante.

Tá aí um livro que tem tudo para ser clichê, mas que não é. Como assim, Adriele? Simples. O Felipe não é um típico garoto gay dos livros, ele é gordo, tímido e tem inúmeros problemas de insegurança que são muito reais, o Caio não é o típico par romântico, ele é muito mais profundo, possui seus próprios problemas e inseguranças, além de ser um ótimo amigo, todos os outros personagens do livro possuem suas peculiaridades e a história dos dois protagonistas não é como nos outros romances, mesmo nos romances LGBT, ele acontece aos poucos, a partir de muito autoconhecimento, conversa, confiança e uma amizade realmente sincera. Os problemas que acontecem com eles não são causados pelos clichês já tão conhecidos, são problemas reais de autoconfiança, de lidar com as inseguranças e de poder se abrir para um sentimento tão forte.

Para Felipe não é fácil ser gordo, como muitos livros querem mostrar, ele não consegue passar por isso da maneira engraçada que querem que as pessoas não-gordas (eu inclusa) acreditem que possa acontecer. Ele sofre bullying, não se sente atraente, acha que nada fica bem nele e tudo isso se transporta para sua capacidade de lidar com os outros e é por isso que ele frequenta toda semana uma terapeuta, algo que também é muito bem trabalhado no livro, por ser muito individual, realista e revelador, pois mostra que terapeutas não servem para pessoas loucas e doentes, mas para todo mundo que precisa ter alguém com quem conversar e se abrir. Não posso dizer que me identifico com o Felipe totalmente, afinal sou hétero e magra, porém tenho minhas próprias inseguranças e sei como isso pode atrapalhar relacionamentos no geral. Mas o mais importante, eu conheci um pouco melhor sobre como é viver em um mundo tão preconceituoso e apegado a aparência, principalmente quando se é tão fora dos padrões, quanto o Felipe.

Mas não são só os protagonistas que nos mostram e ensinam coisas, temos a mãe do Felipe e as amigas do Caio que também se encontram bem fora dos padrões esperados para essas personagens.

Calma, o livro também é muito divertido e me fez rir muitas vezes, então não precisa se preocupar, pois além do livro ser curtinho, ele é super rápido e gostoso de ler. A escrita do Vitor te prende e te faz devorar o livro. A história (Como devem imaginar) se passa em 15 dias e é assim que os capítulos são divididos e isso torna a leitura ainda mais rápida, pois eles não são longos. A leitura flui tão bem que passa da mesma forma que 15 dias de férias… Rapidinho!!

Já deu pra perceber que eu adorei esse livro, né? Com certeza entrou na minha lista de favoritos do ano! Então super recomendo para todo mundo!

Beijos Mágicos!!


E siga o blog nas redes sociais: Twitter  |  Facebook  |  Instagram  |  Skoob  |  Pinterest  | We Heart it